Topo

Dólar cai mais de 1% e fecha a R$ 5,48 com alívio na curva de juros e expectativa por corte de gastos

dolar - real
(Imagem: Getty Images/ Canva Pro)

Pelo segundo dia consecutivo, o dólar à vista (USDBRL) perdeu força em relação ao real desde o início da sessão e encerrou as negociações desta quinta-feira (4) a R$ 5,4864, em queda de 1,47%. 

A moeda norte-americana atingiu a mínima intradia de R$ 5,4668 (-1,82%).

O movimento acompanhou o desempenho do dólar no mercado internacional. Com a ausência dos mercados de Wall Street, os investidores seguiram em compasso de espera por dados do mercado de trabalho nos Estados Unidos, o payroll, de junho.

O DXY, que compara o dólar a uma cesta de seis divisas globais, registrou queda de 0,27%.

Depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dar uma trégua nas críticas ao Banco Central (BC), o dólar seguiu o ritmo de queda da sessão anterior, ainda repercutindo as falas do chefe do Executivo na véspera.

Ontem (3), Lula disse que a responsabilidade fiscal é um compromisso de seu governo “desde 2003”.

“A gente vai ter uma política econômica sem causar sobressalto a ninguém, a gente vai ter uma política econômica que vai fazer esse país crescer, a gente vai continuar fazendo transferência de renda, e a gente ao mesmo tempo vai continuar com a responsabilidade que nós sempre tivemos”, disse Lula. “Responsabilidade fiscal não é uma palavra, é um compromisso deste governo desde 2003, e a gente manterá ele à risca”, afirmou durante a cerimônia de lançamento do Plano Safra para a agricultura familiar.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que presidente determinou que seja cumprido o arcabouço fiscal.

“Tivemos a oportunidade de nos reunirmos três vezes hoje. Lula me pediu para que falasse para vocês. A primeira coisa que o presidente determinou é cumprir o arcabouço fiscal. Não se discute isso. São leis que regulam as finanças do Brasil e serão cumpridas. O arcabouço será preservado a todo custo”, disse o ministro em entrevista coletiva após deixar o Palácio do Planalto na noite de quarta-feira (3).

*Com informações de Reuters

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br