Topo

Queda de juros vai impulsionar venda de imóveis e a economia

Com uma taxa de juros de 12%, a prestação é de pouco mais de R$2.556. À medida que os juros caem, a prestação também cai, chegando a R$1.722, com juros de 7%. Pequenas oscilações da taxa de juros têm grande impacto em financiamentos de longo prazo.

 

Para conseguir um financiamento com uma prestação de R$2.556, uma família precisa ganhar pelo menos R$8.520 por mês. Ganhando menos do que isso, o banco recusa o financiamento porque a família teria dificuldades de pagá-lo. Com a queda da prestação para R$1.722, a renda mínima necessária diminui para R$5.740. Com a queda da renda mínima para conseguir o financiamento, o dobro de famílias podem, agora, comprar aquele apartamento.

 

Esse efeito não fortalece só o setor imobiliário, mas toda a economia. Operários, corretores e outros profissionais beneficiados pela expansão imobiliária agora têm mais renda. Isso gera um ciclo virtuoso: mais empregos, mais consumo, e um impacto positivo na economia como um todo.

 

Ricardo Amorim, autor do bestseller Depois da Tempestade, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + A dmirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finan ças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br