Topo

Biden chega a acordo sobre teto da dívida nos EUA e votação pode ocorrer na próxima semana

Macro, EUA, Joe Biden
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e presidente da Câmara, Kevin McCarthy, chegam a um ‘acordo em princípio’ para elevar o teto da dívida do país (Imagem: REUTERS/Evelyn Hockstein)

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden e o presidente da Câmara, Kevin McCarthy, chegaram a um “acordo preliminar” para elevar o teto da dívida e aumentar a capacidade de endividamento do país. O acordo foi feito neste sábado (27), enquanto republicanos e democratas corriam para evitar um calote (“default”) potencialmente catastrófico dos EUA.

“O acordo representa um compromisso, o que significa que nem todos conseguem o que querem”, disse Biden em comunicado no fim da noite de sábado. “Essa é a responsabilidade de governar”, emendou.

Agora, a Casa Branca se apressa em redigir e publicar um texto do projeto de lei. Isso porque a proposta ainda precisa ser votada. A expectativa é de que a votação aconteça no início da próxima semana.

McCarthy disse que a Câmara dos Representantes deve votar o projeto na quarta-feira (31). Com isso, o Senado teria tempo para revisar a proposta antes do prazo final de 5 de junho.

Caso seja aprovado, evita-se um shutdown do governo dos EUA.  No entanto, se não houver uma extensão do teto da dívida até esta data, a situação pode desencadear um calote geral dos EUA, com forças para abalar os mercados financeiros e levar o país a uma recessão profunda.

 

Oposição acirrada

McCarthy minimizou neste domingo (28) a crítica veemente entre os radicais do partido a um novo acordo com o presidente Biden para suspender o teto da dívida de US$ 31,4 trilhões. O acordo suspende o teto da dívida até janeiro de 2025, após a eleição presidencial de novembro de 2024. Em troca, prevê a imposição de limites de gastos, além de cortes em programas de governo.

Segundo McCarthy, a maioria dos republicanos da Câmara apoia o projeto. Ele rejeitou as ameaças de oposição, dizendo que “mais de 95%” dos republicanos da Câmara estavam “extremamente entusiasmados” com o acordo.

No entanto, republicanos de mais linha-dura, favoráveis à candidatura de Donald Trump, já ameaçam boicotar a proposta. Além disso, depois de negociações bastante acirradas para chegar a um acordo provisório com a Casa Branca sobre o limite do teto da dívida, outros republicanos da Câmara e do Senado também criticaram o cronograma do acordo e alguns dos termos.

Os republicanos controlam a Câmara com 222 membros contra 213, e os democratas são a maioria no Senado (51 a 49).

*Com agências internacionais

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br