Topo

Índices de inflação anualizados na China mantém tendência de queda em janeiro

(Getty Images)

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) anualizado da China recuou pelo quarto mês consecutivo em janeiro, enquanto os preços na porta da fábrica (o PPI) caíram pelo 16º mês seguido, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (8).

O CPI subiu 0,3% em janeiro na comparação com dezembro e ficou negativo em 0,8% em comparação com os dados de janeiro de 2023, de acordo com o NBS, o escritório nacional de estatísticas.

A inflação foi mais fraca do que o esperado pelo consenso LSEG de analistas, que estimava uma variação de +0,4% no mês e uma deflação de -0,5% em 12 meses.

Segundo Dong Lijuan, estatístico sênior do NBS, a demanda doméstica continuou a aumentar no primeiro mês de 2024, impulsionada pelo efeito do feriado prolongado do Festival da Primavera, que este ano começa no dia 10 de fevereiro.

Os preços dos alimentos subiram 0,4% em termos mensais em janeiro, enquanto os preços dos produtos não alimentares subiram 0,2%. No entanto os preços das passagens aéreas subiram 12,1%, enquanto o grupo turismo avançou 4,2% em relação ao mês anterior, também por efeito do feriado.

O núcleo do CPI, que exclui os preços dos alimentos e da energia, subiu 0,4% em termos anuais no mês passado.

Preços ao produtor

O índice de preços ao produtor (PPI) chinês caiu 2,5% anualmente em janeiro, com a deflação perdendo um pouco de força após o recuo de 2,7% de dezembro. Na base mensal, o indicador recuou 0,2%.

Lijuan explicou que esse comportamento pode ser explicado por fatores como as flutuações nos preços internacionais das matérias-primas e a entrada de algumas indústrias nacionais no período de entressafra.

Entre as principais indústrias, o PPI da indústria de extração de petróleo e gás caiu 0,8% em termos mensais, enquanto o setor de processamento de petróleo, carvão e outros combustíveis recuou 1,7% em relação ao mês anterior.

A inflação da indústria de mineração e lavagem de carvão subiu 0,1% em termos mensais, devido ao aumento da procura por aquecimento em algumas regiões.

Fonte : Infomoney

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
Rua Marechal Deodoro, nº 503, sala 505 - Curitiba - PR  |  Cep : 80.020-320
Telefone: (41) 3014 6031 e (41) 3019- 5539 | atendimento: de 13 às 18 horas | trevisan07@gmail.com e sindecon.pr@sindecon-pr.com.br